Proteção Civil
Imprimir Partilhar

Plano de utilização balnear nas praias do concelho de Espinho

Município de Espinho sugere um conjunto de medidas destinadas a garantir a segurança e a prevenção nas praias do concelho.
O Município de Espinho acaba de sugerir à Agência Portuguesa do Ambiente um conjunto de medidas destinadas a garantir o distanciamento, a segurança e a prevenção nas praias do concelho que se estendem por oito quilómetros de costa.
O plano prevê a divisão dos espaços com grades, o uso de um drone com equipamento de videovigilância aérea com capacidade de transmitir imagens em direto às salas de comunicações das diversas entidades, o recurso a vigias transportados em motos 4x4 ou veículos similares, uma rede de rádio própria para as equipas de trabalho balnear e a criação de uma bandeira específica a hastear sempre que a praia atinja o limite da sua capacidade.

Quanto aos nadadores-salvadores, a Câmara Municipal de Espinho antevê dificuldades na sua contratação e quer por isso, mais flexibilidade na distribuição da assistência a banhistas, que provavelmente deixará de contar com 22 técnicos para toda a orla costeira do município e ficará limitada a 17.
Para compensar a diminuição de recursos humanos afetos ao salvamento aquático, a autarquia propõe o alargamento do horário de serviço dos nadadores-salvadores para o período entre as 09:00h e as 19:00h.

O Presidente da Câmara de Espinho, Pinto Moreira afirma que ”este plano será articulado com os concessionários, com a Autoridade Marítima e com o Instituto de Socorros a Náufragos, para que a permanência nas praias possa ser o mais segura possível, no quadro de restrições a que estamos obrigados”.

No que se refere à compartimentação das diferentes concessões com recurso a gradeamento, o objetivo é facilitar o controlo de entradas e saídas nos areais, aumentar a perceção de eventuais  aglomerações e melhorar a definição das áreas de responsabilidade dos vários concessionários.

Já quanto à abertura da Piscina Solário Atlântico, não existindo ainda autorização governamental para abertura desses equipamentos, tendo esta a especificidade de ser uma piscina de água salgada e ao ar livre, esta questão ainda está a ser analisada entre a Câmara Municipal de Espinho e a Autoridade Nacional de Saúde.
Ler mais