EM ESPINHO
Siga-nos:
Turismo
Estação Arqueológica – Castro de Ovil

Alguns séculos antes do nascimento de Cristo, as populações do Noroeste da Península Ibérica desenvolveram formas de vida caracterizadas, entre outros aspetos, por um tipo de povoado: os castros.

Os castros mais não eram que aldeias fortificadas, implantadas em colinas proeminentes e com ampla dominância visual. Essas preocupações defensivas eram normalmente complementadas com a construção de muralhas de pedra e/ou profundos fossos para dificultar o acesso ao povoado. 

O Castro de Ovil foi identificado em Fevereiro de 1981, num local conhecido por Castelo, lugar do Monte, freguesia de Paramos, concelho de Espinho.

O povoado situa-se numa pequena colina que dispõe, no entanto, de boas condições de defesa: a ribeira de Paramos a Sul e SO. e um profundo fosso a Norte e NE. 

Os trabalhos arqueológicos foram iniciados nos começos dos anos 80. As intervenções foram retomadas em 1994, no âmbito da ação do Gabinete de Arqueologia da Câmara Municipal de Espinho. 

As escavações no Castro de Ovil permitiram detetar as ruínas arqueológicas de uma aldeia do Sé. III/II A.C., sendo de mencionar os núcleos habitacionais dos sectores B e E. Treze estruturas em xisto com planta circular, parte delas com átrio, e que confluem em alguns casos para pátios lajeados comuns, parecendo cada um deles corresponder a um núcleo familiar.

O espólio recolhido é essencialmente constituído por cerâmicas indígenas, lisas ou com decoração típica dos contextos castrejos, permitindo a reconstituição de potes, panelas, talhas, vasos de suspensão, alguidares. 

Exumaram-se abundantes vestígios de atividades domésticas e artesanais relacionadas com a moagem (mós de vaivém e giratórias), a fiação (cossoiros), a tecelagem (pesos de tear), a pesca (pesos de rede), a olaria (pedaços de barro) e a metalurgia (escórias de fundição). 

Encontramos ainda testemunhos de adorno pessoal, tais como contas de colar em pasta vítrea ou fíbulas em bronze. Relativamente ao armamento podemos referir uma ponta de lança em liga de ferro. 

De salientar a quase total ausência de vestígios romanos, patentes até ao momento apenas em alguns fragmentos de ânfora, que permitem supor o abandono do povoado durante o século I.



« voltar

© 2017 Câmara Municipal de EspinhoTodos os direitos reservados