Ambiente
Imprimir Partilhar

Secretária de Estado do Ambiente visita obra de reforço do esporão da Praia da Baía

Intervenção está concluída e confere maior segurança a pessoas e bens na zona balnear de Espinho
A Secretária de Estado do Ordenamento do Território e da Conservação da Natureza, Célia Ramos, acompanhada do presidente da Câmara Municipal Espinho, Pinto Moreira, e do vice-presidente da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), o engº Pimenta Machado, visitaram hoje (25 jan.), a obra de reforço do esporão norte da Praia da Baía, em Espinho.
Esta era uma obra reclamada pela Câmara Municipal de Espinho para garantir uma melhor proteção costeira, conferindo maior segurança de pessoas e bens na zona balnear de Espinho.
"Espinho tem uma frente urbana que está consolidada e sem grande erosão do mar desde 1909, com a nossa linha costeira a manter-se desde essa altura praticamente igual ao que era, mas agora é evidente que temos que estar atentos às alterações climáticas e é importante que este tipo de obras de manutenção passe a verificar-se com maior frequência", segundo o presidente da Câmara de Espinho.
No caso do esporão norte da Baía, Pinto Moreira indicou que "o habitual era proceder-se a obras de reforço de 10 em 10 anos", mas defende que agora essas "justificam-se num intervalo de tempo mais curto, provavelmente de cinco em cinco anos", o que dependerá "da sensibilidade e capacidade de execução do Ministério do Ambiente e da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), que tutelam este tipo de intervenção".
Orçada em 1,1 milhões de euros e executada pela HydroStone, a intervenção dirigida pela APA durou sete meses, incidiu sobre o chamado cabeço do esporão, na extremidade apontada ao mar, e recorreu a uma técnica diferente das que vinham sendo aplicadas nessa estrutura.
"O comum era que este reforço se fizesse através da colocação de pedra e tetrápodes no local, mas desta vez optou-se por um sistema de defesa diferente, utilizando blocos de betão alinhados de forma a oferecerem ao mar uma resistência mais compacta e resiliente", explica o autarca Pinto Moreira.
O presidente da Câmara de Espinho referiu que o objetivo foi garantir a solidez de uma estrutura "determinante para a segurança de pessoas e bens", mas insistiu que a manutenção do esporão e de outros recursos de defesa da orla costeira exigem agora obras mais regulares.

Ler mais